Debate deve ajudar eleitor a decidir voto – Análise Helder de Carvalho

Matéria Jornal A Cidade – Monize Zampieri em 20/10/2016 – Clique aqui para ler a publicação digital

O vendedor autônomo Leonardo da Silva Azevedo, de 21 anos, morador do Parque Ribeirão, tem preferência por um dos dois candidatos que disputam a Prefeitura de Ribeirão Preto. Porém, ele não descarta mudar seu voto, caso o outro postulante se saia melhor no Debate na Cidade.

Apesar de acreditar que os candidatos vão para o confronto com discursos decorados, Azevedo observa a espontaneidade diante de perguntas inesperadas.

“Acho muito importante acompanhar os debates para ouvir as propostas dos dois candidatos e, assim tomar uma decisão. Digamos que estou 50% decidido, mas posso mudar dependo que o ouvir”, frisou.

Para especialistas, o debate pode ajudar o eleitor indeciso a decidir seu voto, assim como pode fazer com que uma parte do eleitorado mude de candidato ou ratifique uma escolha, até então, sem convicção.

“É o momento de se mostrar líder para conduzir Ribeirão Preto para um novo parto, uma vez que a cidade precisa renascer das cinzas deixadas pelo atual governo”, diz o cientista político Fábio Pacano.

Para o especialista, descrente da classe política, parte do eleitorado deve ir às urnas com o pensamento de evitar um mal maior. “Muitos vão escolher o candidato que consideram menos pior”, frisou, emendando que “as abstenções devem crescer, assim como os votos brancos e nulos”.

Apesar de Pacano avaliar que “o eleitor gosta de ataques entre os candidatos durante os debates”, o consultor político Helder de Carvalho diz que “não é uma estratégia efetiva”.

“O eleitor valoriza muito a maneira com que o candidato se comporta durante o debate, como, por exemplo, em relação à tranquilidade, humildade e vontade de transmitir a mensagem com clareza e coerência”, diz.

Nogueira e Ricardo estão com “boas expectativas” para o Debate na Cidade e miram, principalmente, o eleitor indeciso.

O tucano diz que adotará uma “linha propositiva” no debate. Já Ricardo pretende reforçar que ele representa “a verdadeira mudança”.

Análise – ‘Debate é decisivo na hora do voto’ 

A insatisfação geral dos eleitores com a classe política se dá devido ao distanciamento dos políticos e de suas propostas com os anseios do eleitor. Essa insatisfação se reflete no alto índice de abstenções, além dos votos brancos e nulos. Vale lembrar que uma política voltada para o povo surgirá no exato momento em que o povo se interessar verdadeiramente pela política, se aproximando dos políticos, dos debates e decisões. Pensando assim, acaba sendo um contrassenso o eleitor deixar de votar, perdendo assim a oportunidade de participar do futuro da cidade. Porém, a obrigatoriedade do voto, não garante sua qualidade. É preciso avaliar os candidatos para que se possa tomar uma melhor decisão. Os debates são momentos em que o eleitor poderá avaliar não somente as propostas, mas também a postura e a segurança dos candidatos, ao vivo, sem possibilidade de cortes ou correções de gravação. Fazer do debate uma arena, com ataques mútuos e pesados, que são apreciados principalmente pela militância partidária dos candidatos, não se mostra estratégia efetiva para que o eleitor indeciso decida seu voto. Este, valoriza muito a maneira com que o candidato se comporta durante o debate. Esses detalhes são percebidos ainda que de maneira inconsciente, podendo alterar um voto que não estava sedimentado. Helder de Carvalho, Consultor político.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *